Se dinheiro não existisse?

sexta-feira, janeiro 25, 2013

Hoje vi um vídeo que me fez refletir. Foi uma das mensagens mais importantes que já ouvi em minha vida e me fez enxergar muito sobre mim, sobre como estou vivendo. E mesmo sendo um assunto tão íntimo, delicado, eu queria dividir com vocês, esse momento, essas ideias.

Primeiro assista... É rápido e vale a pena, e você nem precisa de som, está legendado (mas com som é sempre melhor, claro!) ^^


Agora pra intimidade ser recíproca, me diga... O que você faria se o dinheiro não existisse? Como você gostaria de viver? O que gostaria de fazer?

Desde criança, eu sempre quis ser Professora. Minha brincadeira preferida sempre foi "escolinha" e eu sempre era a professora. Quando saí do ensino médio, fui pra Universidade fazer o curso de Letras. Foi difícil passar num vestibular pra uma Universidade pública Federal, mas eu consegui. Estava contagiante, alegre, nem imaginava o que me esperaria. Mesmo todo mundo falando que eu "deveria aproveitar minha inteligência pra algo melhor". Eu só tinha 16 anos, e isso era o melhor que eu podia pensar pra mim, porque eu só pensava em ser feliz, só isso me importava. 

Não passei nem do segundo período, comecei a trabalhar e ver que a vida não era assim tão simples e não bastava apenas ser feliz. Eu tinha que ganhar dinheiro pra conseguir o que eu sonhava, pra ter tudo que eu achava que me faria feliz. Então, por causa do meu emprego, eu mudei de curso, de Universidade. Eu resolvi "aproveitar minha inteligência pra algo melhor", ou algo que "dava mais dinheiro". Eu tinha responsabilidades e contas a pagar, eu precisava fazer isso. Então por um bom tempo trabalhei duramente numa empresa que me fazia um pouco feliz. Eu não ganhava muito, e trabalhava incessantemente, mas eu estava satisfeita.

Mas ainda para "aproveitar minha inteligência" passei em um concurso público e segui em busca de algo melhor, para ter dinheiro e poder conquistar a felicidade (bobinha). Mas o que eu não notei, foi que a cada uma das etapas anteriores e a cada escolha que eu tomava em busca da felicidade, eu sentia que ela estava mais distante. Hoje sou servidora pública, insatisfeita, completamente infeliz! (Não na vida pessoal, não misturem, estou falando apenas do trabalho) Eu começo o dia, torcendo pra que ele acabe... Eu chego no domingo sonhando em ter uma gripe e não precisar trabalhar no outro dia. Eu não faço nada que eu gosto, nada do que eu sonhei um dia fazer. Eu não tenho muita utilidade e não faço a menor falta no trabalho. (Calma, não é drama, é verdade!)

E então, depois de ver esse vídeo e pensar um pouco, eu cheguei a conclusão de que minhas escolhas me afastaram do meu sonho de felicidade, porque todas elas foram baseadas em conseguir dinheiro. Porque eu pensava que dinheiro poderia proporcionar momentos de felicidade. E meu pai até hoje ainda diz: "se tivesse feito Direito, como eu falei, hoje seria feliz, teria dinheiro, teria tudo..." Será?

Hoje tenho 24 anos, e mesmo tendo entrado numa Universidade aos 16, ainda não consegui terminar nenhum curso dos que fiz, ainda não sei o que eu farei daqui pra frente, nem se devo começar novamente mais um curso, mais uma trajetória em busca de algo que eu deixei passar, em busca da felicidade (profissional). Eu não sei o que fazer nesse momento. Estou me formando, mas não estou feliz, e odeio o curso que eu fiz... Gostaria de poder voltar no tempo, e não ter me preocupado com o dinheiro. Mas ainda tenho contas pra pagar, ainda tenho responsabilidades, e elas não vão deixar de existir, e por isso eu não posso parar e voltar agora. Não, não agora!

Entendo que muita gente deve viver na mesma situação, e talvez essas pessoas se sintam assim, pra sempre. Eu sou realizada com a minha casa, meu relacionamento e bem com a família, com a vida, mas não com meu trabalho. Eu ainda fico pensando... E se eu tivesse sido professora? Hoje eu estaria passando fome? Porque pobre ainda sou, rsrs. Graças as contas que chegam todo mês, eu não posso desistir, não posso parar... Não posso simplesmente não voltar das férias essa semana. Eu estou triste mesmo antes de ir, mas terei que ir assim mesmo. Essa é a minha vida, parecida com a de tanta gente, e nós não podemos parar... Agora!

Então eu penso: Por que perdi 8 anos tentando fazer algo que dá dinheiro? Quando na verdade eu queria apenas fazer algo importante, significativo. Eu descobri que queria ser professora, porque era algo que me fazia sentir especial, algo que eu tinha talento. Ter a sensação de que alguém gosta me ouvir, de que alguém se inspira em mim, me respeita, de que eu posso ditar as regras e obter bons resultados, estimular as pessoas a descobrir. Ensinar e aprender, trocar conhecimento e emoções... Fiquei um ano ensinando crianças do jardim da infância e tive milhares de momentos felizes, instantes incrivelmente maravilhosos, suspiros de satisfação. Eu não sei se quero mesmo ser professora, mas eu sei que não quero ser o que sou agora, isso tenho certeza.

Mesmo estando num período meio lenta e desesperançosa, esse vídeo me fez pensar, e lembrar que eu sempre fui muito determinada, e nunca deixei a vida passando diante dos meus olhos. Eu nunca fui assim! E esse vídeo me fez lembrar o que eu gostaria de fazer se não existisse dinheiro. E não é apenas ser Professora.  Tem tantas coisas que eu gostaria de fazer realmente, de experimentar... Coisas que eu acho que sou boa, sabe! Que eu sei que me daria bem, mesmo não ganhando muito por isso, coisas que me fariam ser feliz! Tanta coisa, que seria loucura não tentar...


Insanidade é continuar fazendo sempre a mesma coisa, 
e esperar resultados diferentes... (Albert Einstein)


Então resolvi criar um plano! Como disse, nem eu, nem milhões de pessoas pode largar tudo e ser feliz, nossas responsabilidades, lembra? Mas nós podemos traçar um plano, listar metas, buscar nossos sonhos e sim, sim, podemos conseguir fazer aquilo que amamos, podemos alcançar o sucesso profissional, fazendo algo que faríamos se dinheiro não existisse. Não podemos pular do barco, mas devemos guiar a vela, e deixar que o vento faça sua parte. E esse é o meu plano! Talvez eu leve cinco ou dez anos... Mas valerá a pena, guiar meu barco pra chegar ao meu destino desejado, ao paraíso. Mesmo que demore, mesmo que seja difícil e que eu tenha que abrir mão de algumas coisas, chegar lá, vale a pena! E é isso mesmo que eu vou fazer... Não sei se serei professora, ou se descobrirei o que eu quero fazer mesmo, talvez eu me surpreenda, rsrs Não sei o que encontrarei nessa viagem, quais as dificuldades e recompensas que a cercam. Eu só sei que eu quero mudar, quero sair dessa zona de conforto que de confortável não tem nada. Quero me redescobrir, me testar... Quero voltar ao nível de caloura, deitar na grama olhando pro céu e fazer dos meus sonhos, metas a serem alcançadas.

Agora me diz você, o que faria se pudesse mudar de direção, se pudesse fazer qualquer coisa que desejar. Quais os seus planos para os próximos anos, e qual era o seu plano quando você começou a vida? O que você queria fazer se não existisse dinheiro? Vamos conversar! =}

Um ótimo final de semana!

You Might Also Like

27 Comentários

  1. Calíope Querida, adoro você demais!!! Como pode?
    Olha vou te contar... Esse vídeo é mesmo muito bom, mas acho que o "dinheiro" que ele cita não se trata de "dinheiro" real, verdadeiramente falando, aquele que paga as contas. É um dinheiro mais genérico, é o status, é o que esperam da gente, é o que enfiam na nossa cabeça, são as pessoas dizendo para você aproveitar melhor a sua inteligência.
    Eu mudei de área - De Sociologia para Moda - quando minha família ainda era muito sem grana e humilde. E vou te dizer, a gente vai andando por uma estrada que a gente conhece bem, sabe tudo que tem ali nos caminhos. E então decide mudar de rumo. Faz planos mil, planeja tudo, onde quero estar daqui há um ano, daqui há cinco, quanto quero ganhar, como vou fazer. Nada isso. Quando a gente pega outra estrada, é uma realidade paralela. Rsrsrsrs. Você jamais será capaz de imaginar o que vai aparecer na sua frente. Eu digo aos meus amigos que, quando decidi largar a promissora carreira acadêmica para fazer Moda (as pessoas não acreditavam que eu ia largar algo tão inteligente por algo tão fútil)... mas como eu ia dizendo, quando eu troquei de área jamais poderia imaginar - nem se eu tivesse usado todos os alucinógenos do mundo inteiro - que eu iria ter a vida que tenho hoje. Lá daquele lugar de infelicidade, de tristeza, de desmotivação que era o Mestrado de Sociologia que eu fazia, jamais vislumbraria que eu teria excelentes empregos (no plural sim!) como Estilista, com ótimo salário, viagens ao redor do mundo.
    Calíope, no começo é duro sim. Penei um bocado, mas a medida que eu ia seguindo, o caminho ia se alargando, pessoas surgiam do nada, telefonemas, oportunidades. É mágico. Parece loucura, mas não é.
    E não precisa ser ou tudo ou nada. Vai migrando de área aos poucos. Um curso noturno, por corespondencia, um estagio nas ferias, vai trocando de turma aos poucos. Um dia, você vai se sentir tão firme do outro lado, que vai ser fácil pular para lá.
    Dinheiro não é problema não. Dinheiro não é barreira. Tudo isso é a nossa cabeça, os nossos medos, nossas crenças.
    Eu já comecei a pensar na minha terceira carreira, minha terceira profissão, porque decidi que não quero trabalhar com Moda para o resto da vida. Quero algo que ajude as pessoas, que torne o mundo melhor. Adoro o que faço, mas quero mudar, viver outras vidas nessa vida que é curtíssima e sensacional.
    Boa sorte amiga,
    A gente tá aqui pra dar força!
    Um grande beijo
    Dulci


    ResponderExcluir
  2. Eu queria ser desenhista quando eu era pequena. Tive até uma fase de desenhar vestidos, queria ser estilista, me realizava através das bonecas de papel com mil roupas. Com uns 16 anos, uma criação minha concorreu em um concurso da revista Capricho com a Griffe Dzarm, meu desenho foi selecionado, recebi e tenho até hoje um telegrama, chamando para o evento (que era no Rio e não fui), ganhei tb uma camisa.
    Na época de fazer vestibular me inscrevi para Desenho industrial e Artes plásticas, fiquei encantada ao fazer os testes de aptidão e passei em todos que fiz, mas nas provas escritas não, ai acabei tentando o curso de Letras, sem nem imaginar ou querer algo definido. Sempre gostei de ler e de escrever, já me imaginei escrevendo para jornais, criando slogans...
    Meu primeiro trabalho foi na Faculdade de Medicina mais conhecida e renomada daqui, depois da federal. Integrei o Centro de processamento de dados que digitalizou tudo da Faculdade que era do tempo do arquivo de papel e máquina de escrever. Aprendi muito lá, sobre trabalho, pessoas e mtas coisas. Era pertinho de casa, horário e trabalho leve e tranquilo, mas eu enjoei, queria mais, não achava que tinha nada a ver com aquele mundo de medicina, ja tinha ido parar na secretaria, eu não me senti a vontade lá.
    Fui trabalhar de vendedora de celulares em uma loja no Shopping, uniforme tipo de aeromoço, muitas coisas novas, muita movimentação, gente, histórias, muito dinheiro, até virei Gerente. Ai engravidei, tive filho, me formei e fui ser gerente da filial, onde td não era tão glamouroso, uma criança pequena muda td na vida de uma mulher e tb a época do boom dos celulares já havia passado.
    Trabalhei em escritórios de mais de um tipo depois disso e em uma loja de sapatos e em uma Escola infantil no ano retrasado, imaginando que ia amar ensinar e não me adaptei ao sistema, as professoras antipáticas, a mas, a diretoria, secretaria, fofocas, tratamento as crianças e falsidade e mentiras para os pais. Horrível!
    Nesse processo de não saber o que fazer, sem dinheiro, sem achar meu caminho profissional fui cada vez mais escrevendo e achando no blog um meio de conatos pessoais e profissionais e na escrita uma profissão, além de uma fonte de terapia, uma possível renda e estou nesse caminho, que pelo que já percebi não é rentável, mas me realiza.
    Meu marido, meus pais, conhecidos, dizem que eu tenho potencial para ser o que eu quiser, tenho tentando Concursos públicos para aumentar a renda e o conforto da família, para ter dinheiro, mas eu queria mesmo é ter nascido rica...rsrsrs...torço para que meu marido enriqueça por nós dois...rsrs...quero uma fazenda, escrever, contar e ouvir histórias, passarinhos, água de chuva, sentir cheiro de terra molhada, receber vistas, cozinhar, hospedar meus netos, sobrinhos, amigos.
    Torço por vc amiga e todo esse seu percurso é história pra contar, experiência, aprendizado, um caminho longo que levará a sua realização. Pense, foque, busque e se realize.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Desculpe-me Tina, não resisti rsrsrsrsrs.
      Eu só não passei por tantos trabalhos diferentes, mais pelos poucos que tive vi o suficiente pra saber que desejo praticamente o mesmo que vc.
      Que meu marido fique rico por nós dois e tudo mais, cheiro de terra, filhos netos e bisnetos.
      Amei seu depoimento.
      Mais estou em busca de algo que me de esse maldito dinheiro...rsrsrsrs.EMPREGO...kkkkkkkkkkkkkkkkkkk

      Excluir
    2. Pois é...esse danado é tão bem vindo né?
      Devia dar em árvore :)

      Excluir
  3. Calíope, que vídeo magnífico e suas palavras completaram totalmente.
    Estou aqui pensando em tudo isso e além de concordar penso em milhares de pessoas que estão nessa situação. Na busca desenfreada por dinheiro. E depois, gastá-lo com prazer?
    Hoje faço o que gosto, mas passei longos anos sem saber.
    Descobri que o que faço é por amor e estou muito satisfeita.
    Então, você que está nessa reflexão siga mesmo seu coração e vá ser feliz, pois é mesmo muito ruim produzir por obrigação.
    Saudades de você.
    Xeros

    ResponderExcluir
  4. Oi!
    Olha, eu comecei um curso quando tinha a sua idade de hoje, 24, fazia Arquitetura e todos achavam que era uma carreira promi$$ora. Detestei a faculdade, não estava feliz, larguei, fiquei sendo dona de casa e mãe. Aos 40, voltei a estudar e escolhi um curso só pelo meu prazer, fiz Letras, escolhi ser professora (os parentes acharam o fim, rs), tb minha paixão de infância. Hoje sou servidora pública, o vencimento está beem longe de ser bom, porém me sinto realizada no meu trabalho, apesar de todas as muitas dificuldades de trabalhar com Educação no Brasil.
    Então, contei essa novela toda para te dar um toque: vc é muito jovem, então não se tranque em uma função que te deixa infeliz, faz o que teu coração pede e seja feliz!!!
    Boa sorte e felicidades!
    Abraço,

    ResponderExcluir
  5. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  6. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  7. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  8. Mente




    E depois de tudo o que contei, reflita:

    "A mente sem controle flutua na superfície dos acontecimentos como uma folha levada ao vento. Posses, outras pessoas, atividades, passado e futuro, são os principais campos por onde ela pode vaguear. A questão não é fugir desses limites mas saber lidar com eles, mudando o enfoque. As posses são meios e não fins. As atividades podem ser transformadas em atos de servir. O passado me ensinou tanto e o futuro me aguarda de braços abertos."
    Brahma Kumaris

    ResponderExcluir
  9. Estou nesse mesmo momento, pensando no que quero fazer da minha vida. Apesar de não estar trabalhando no momento, mas penso na minha formação, se é realmente isso que quero.
    Minha mãe diz pra eu fazer um concurso público, pra qualquer coisa, e ser estável pro resto da vida, detestei a idéia. Quero fazer algo que me deixe feliz!
    Amo minha área, Redes de computadores, mas no momento a minha faculdade, a instituição, esta deixando a desejar. Por isso mudei, fiz uma loucura, me inscrevi para outra faculdade que é paga, a minha atual é pública, em outra cidade, onde meu namorado mora, pra ver a diferença e ser feliz casada. Meu sonho sempre foi ser bem casada com uma pessoa ótima, sem que ninguém se metesse na minha vida, mesmo sem muito dinheiro, e é isso que estou indo atrás.
    Obrigada por compartilhar este video e os seus desejos, acho que te deixa mais próxima de quem lê o seu blog, que eu adoro.
    Beijos

    ResponderExcluir

  10. Eu sempre me perguntei o que eu queria ser, e nem eu mesma soube dar a resposta, e foi através desde vídeo que me vi diante da pergunta certa, O que eu faria se não existisse dinheiro?
    E por incrível que pareça foi a melhor resposta que já passou pela minha cabeça, rsrsrs.
    E a primeira coisa que me veio à cabeça foi meus sonhos de infância de ser mãe, e cuidar da minha família. E o que realmente faço com prazer,amo ser mãe e cuidar da minha casinha do meu jardim.O ultimo trabalho que tive ,me demiti por que já estava me sentindo deprimida e sem vontade de fazer nada.Entrei de ferias ,voltei ,trabalhei um mês e me demiti.nem apos as ferias me senti com vontade de continuar um trabalho que me deixava infeliz.
    Muitas pessoas julgam quando vc não tem uma profissão, isso me deixa um pouco chateada. Gosto de participar de cursos e aprender coisas novas.
    Mais sou mãe em tempo integral, amo ser mãe

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Luciene, me identifiquei bastante com vc!
      Eu saí do emprego há 2 anos pq... me casei!! rs Daí q eu morava com minha mãe, me mudei, minha filha levou um baque: saiu da casa da avó, trocou de escola e foi pro primeiro ano. Resolvi ficar em casa pra tomar conta dela. Pronto!
      E então desde então tento me encontrar. E sou maio julgada como vc: não tenho uma colocação. Mas pra 'piorar', sou formada. Sou designer... rs Complicado, não? rs

      Excluir
  11. Me vi em vc tantas vezes, durante a leitura...eu no meu trabalho hoje sinto o mesmo que vc. Estou aqui fervilhando tentar colocar as idéias no lugar, pq todos os dias me pergunto "até que ponto vale a pena ser infeliz em mais da metade do dia"?
    Obrigada por compartilhar sua história, seus sentimentos e saiba que eu me identifiquei e muito...
    bjs e ótimo final de semana

    ResponderExcluir
  12. Amei o video, mas o que está lá é verdadeiro: fomos criados a fazer o que não gostamos, infelizmente!
    Eu estou assim até hj. Já fiz tanta coisa, passei por várias áreas e ainda não me decidi (ainda!!!). Geminiana e indecisa, pra 'ajudar'... hahaha!
    Acabei de largar tudo, saí de um emprego de 11 anos (que não me satisfazia profissionalmente) e decidi ficar em casa um pouco, pra colocar as ideias em ordem, me decidir o que quero daqui pra frente, e aí agora tô na fase de achar que a costurinha me completaria. Até me completa, mas naquelas... kd o dinheiro, né?!
    É complicado mesmo.
    Desejo boa sorte pra vc, viu!! Te adoro.
    Bjns
    :)

    ResponderExcluir
  13. A vida é assim mesmo nós seres humanos nunca estamos satisfeitos com nada, COM DINHEIRO OU SEM DINHEIRO ESSA É A VERDADE. Acho que o que buscamos mesmo dentro de nós é a "FELICIDADE INTERIOR", é está bem consigo mesma.
    Ao contrario de ti eu amava meu trabalho e odiava meu curso na faculdade, acabei largando o curso, porque, ou eu trabalhava, ou eu estudava, eu morava só e me sustentava também, trabalhei alguns anos em uma multinacional e meu presente de ano novo novo(2007)foi ser demetida, depois disso Papai do Céu me mandou um presente maravilhoso minha filha, fiquei grávida, hoje ela tem 4 aninhos e é minha vida, casei, mudei de estado, trabalho com artes (hoje sou artesã) amo trabalhar com minhas artes, para mim é uma terapia também, estou com 34 anos, dez anos de diferença de você, estou querendo voltar a estudar novamente, talvez fazer pedagogia ou serviço social,não sei ainda porque tenho algumas prioridades na frente.
    O que quero dizer pra ti que nunca é tarde pra se fazer o que se tem vontade de fazer COM DINHEIRO OU SEM DINHEIRO.
    Bjs,fique com Deus e bom fim de semana.

    ResponderExcluir
  14. Calíope, este relato nem parece que é sobre você e sim sobre cada uma de nós que o lemos. Eu particularmente me identifiquei com cada uma das suas palavras. Quem sabe você não vira professora de curso de artesanato? Se eu morasse aí com certeza gostaria de fazer curso com você. Beijos e continue na busca pela sua verdadeira realização profissional.

    ResponderExcluir
  15. É, Calíope... mto bacana o vídeo, realmente bom pra refletir! Encaminhei pra minha irmã, q anda num momento bem assim mesmo! Ela deve passar aqui pra te deixar um recadinho! rs
    Bom... eu to vivendo isso... Sabe qual era o meu sonho, independente de pensar em dinheiro ou não? PSICOLOGIA. Eu SEMPRE quis ser psicóloga. Conversar, ouvir os outros, aconselhar, ajudar... Gosto de ajudar. Já trabalhei de graça e me senti feliz ao ver o trabalho indo bem, mas daí vc se vê desvalorizada de alguma forma e aquilo te desanima totalmente...
    Fiquei em casa por mto tempo, sem trabalhar. Daí comecei a sentir falta do dinheiro e encontrei um trabalho. A vantagem era trabalhar com uma amiga. Mas começou a ficar difícil ter q sair de casa pra ir trabalhar só de tarde (ótimo) e deixar Sofia com outra pessoa e não estava compen$ando... rs Consegui ficar trabalhando em casa. Tá bom. Enqto isso faço meus trabalhinhos personalizados em casa tbm e adoro! Estou feliz, mas ainda não realizada. Falta algo, q não sei o que é... o dinheiro, talvez? rs Complicado...
    E é o que q Cici comentou: somos educados não para ser felizes e sim para ser bem sucedidos. E qndo não somos, qndo tomamos alguma atitude q seja diferente do 'bem sucedido', acabamos sendo julgados... ô dificuldade! rs
    Corre atrás, Calíope! Vc ainda é nova e pode alcançar seus objetivos logo!
    Bjks

    ResponderExcluir
  16. Eu vi o vídeo..
    E fiqueiii um tanto quanto pensativa...
    É pra refletir mesmo..

    Bjs ;*
    Boa Semana \°/

    ResponderExcluir
  17. Passando aqui por indicação da minha irmã! (Telma Maciel) =)
    Realmente esse post me fez pensar... Eu criança tb brincava mto de escolinha! E sempre era a professora. E apesar de tanto aviso, me formei em Pedagogia. E eu amava. E amo ainda! Mas essa parte do dinheiro pesa, e vc descobre que ser feliz fazendo o que gosta pode te deixar feliz no seu trabalho, mas qdo chegam as contas pra pagar e vc descobre que não pode fazer uma viagem (ou todas as coisas) que vc sempre quis porque não pode pagar é muito ruim. Mas trabalhei 11 anos em salas de aula. E vi muita coisa linda e recebi muito amor (criança é Tudo de bom). Mas aí vc descobre o Sistema. AH o sistema... desanima qualquer um. E por mais que vc se empolgue ao ver os olhinhos dos pequenos brilharem quando vc chega, o sistema faz ficar difícil levantar da cama de manhã. Não depende só de vc, só do que vc quer fazer de bom aos alunos... Tem papel e burocracia e falta de material e de incentivo. Aí eu cansei. Acabei de pedir exoneração do meu cargo de professora. Ou seja, mesmo fazendo o que a gente escolhe, que vc sabe que é o que te faz feliz, sempre existem os ossos do ofício... Mas descobri que o importante pra mim é a mudança. Que quando eu começo a perder a paixão, eu tenho que trocar: de escola, de turma, de metodologia, de matéria. E vejo que dá um medo danado no início. Mas funciona. =) Mas tenho sempre a esperança de que uma hora a gente se encontra e vai dar certo! Bjks!

    ResponderExcluir
  18. Ah é... e se nao existisse dinheiro, era isso mesmo que eu seria: professora. Pq eu não sei ser outra coisa! =P

    ResponderExcluir
  19. Eu queria ser cigana, e viajar pelo mundo numa casinha de madeira(roulotte) e ser muito feliz com um marido, filhos e muitos livros pela estrada, vivendo só de alegria e muitos bicos.

    ResponderExcluir
  20. Lendo seu texto, eu me identifiquei muito. De um certo modo foi um pouco ao contrário, porque eu fazia uma faculdade e virei professora sem querer... Eu estudava psicologia e acabei indo dar aulas de inglês para ajudar a pagar a faculdade e, apesar de não adorar o que eu faço, eu faço isso já há 12 anos. Confesso que já aprendi que tem coisas que eu gosto muito e outras que me irritam e cansam... não é fácil ser professora! Hahaha! Eu sempre penso que gostaria de fazer outra coisa, mas não sei qual é... e, agora, depois de ler seu texto e todos os comentários, acabei me sentindo melhor porque me parece que ninguém é 100% feliz no que faz e muitas pessoas estão na mesma situação que nós. Acho que a gente tem que ir atrás dos sonhos, mas ao mesmo tempo a gente tem que aprender a ver algo que a gente goste no que faz. Parece que a vida é uma eterna busca, mas ainda bem que temos sempre a oportunidade de mudar, se tivermos coragem!
    Obrigada por suas palavras, não só deste post, mas de todas os outros.
    Beijos

    ResponderExcluir
  21. Bom,Vou comentar, primeiro por que não vi nenhum homem comentando rsrrsrs!
    Eu me identifiquei muito com o vídeo e com os comentários!
    Minha situação é um pouco diferente e essa pagina me fez sentir um tanto quanto aliviado, mesmo sabendo que não interessa o que os outros falem ou façam, a resposta sempre esta dentro de nós mesmos e nada mais!
    Eu Tenho 22 anos, mais comecei um pouco cedo, com 13!
    Fui limpador de peixe em um pesqueiro, vendedor de pano de prato, vendedor de loja de informatica, vendedor de publicidade ( esse com uma maletinha 007 andando de comércio em comércio apé, vendendo desde cartão de visitas, até um site pro seu comércio).Depois fui trabalhar na gerencia de uma auto peças, depois abri um escritório pra vender as auto peças e em fim fui trabalhar a 3 anos atrás aonde estou hoje! Bom, quem ve isso ja imagina certamente que tenho aptidão pra comércio. Estou trabalhando na empresa de um tio meu que é um grande empresario, sou gerente do balcão de vendas da empresa. status, respeito, meta,salario ótimo e etc. acontece que de alguns meses pra cá, comecei a me considerar outro cara,um cara intolerante, sem paciência nenhuma pra nada, sem conseguir conviver com ngm, chato e velho com 22 anos. Comecei a pensar, até onde vale a pena? veja bem,um cara com 22 anos sem paciência? me sustento desde os 16 e como li no depoimento temos muitas e muitas responsabilidades! ainda por cima descobri que em 3 anos de empresa minha carteira nunca esteve assinada e fico em cima do muro em tomar uma decisão pq é meu tio o dona da empresa, o cara que sempre me apoiou! Nunca tirei ferias, estou um dinamite ambulante, minha cabeça dói, não produzo tanto mais na firma, meu namoro vai uma merda,comprei um pesqueiro que é a minha coisa preferida de fazer, pescar e não consigo ir pescar, não sei o que quero da minha vida, só sei que estou nessa busca incessante por dinheiro a anos sem parar, fiz muitas coisas boas no trajeto,MUITAS COISAS QUE GOSTARIA DE FAZER EU FIZ, mais quero saber, vale a pena infartar com 30 ou 40 anos?
    Sera que eu devo chegar pro meu tio e falar, quero meus direitos, foda-se a gratidão e pegar a bolada que tenho se houver um acerto? ou continuo ali, trabalhando igual um imbecil, como disse a caliope, pedindo para que o dia acabe, querendo matar colegas de trabalho e etc? estou exausto! Estou sem ter o que fazer!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Desculpe-me o atrevimento, mais se eu fosse vc pediria demiçao... rsrsrssr
      Vai pescar vc não deve gradidao ate porque ele nunca de deu ferias nem assinou sua carteira, vc acha mesmo que ele foi bom com vc?

      Excluir
  22. Agoa se de fato o dinheiro não existisse, eu tocaria guitarra muitoooo, pescaria muito, pintaria quadros, faria uma horta, viajaria muito!

    ResponderExcluir
  23. Meu Deus! Como pode uma Post mexer tanto comigo!!! deixa te contar um pouco do que vivo hoje ....Me formei em administração em 2006 com intuito de trabalhar na área de RH. Porém dois anos depois me casei e meu marido trabalha nessa área, ele é gte de rh e vejo a dedicação quase que integral que a pessoas tem que dar pra empresa se quiser ser um ótimo profissional e as vezes as empresas não reconhecem essa atitude. Hj trabalho na área de estoque e faturamento de uma empresa de grande porte, porém o nascimento do meu filho em 2009 fez mudar completamente meu modo de ver o trabalho. Antes trabalhava sábado, domingo geriado sem nenhum problema, trabalhava e gostava! acredite!!! Hj com meu filho com 3 anos, desejo trabalhar em algo que possa fazer meu horário. Hoje penso que deveríamos ser cobrados pelo trabalho realizado não por estar 9, 10 horas dentra da empresa! Hj o meu maior sonho é trabalhar com fotografia e design ... coisas fofas sabe? acho que voltei a ser criança sendo mãe .... amos as coisinhas que você posta aqui, o jeito que você conversa com a gte .... muito legal!!! Quero trabalhar com ensaios de recém nascidos, grávidas pois acho que é o momento de mais plenitude de um ser humano! já fiz vários cursos nessas áreas e meu marido me apoia muito e sou muito feliz por isso! Mas parece que não consigo sair do lugar ..... traçar um plano, sair da zona de conforto calíope, as vezes parece que estou em um pesadelo, sabe aqueles que a gte tá correndo em câmera lenta do monstro? só que "acordar" dessa inércia!!!! Tenho várias fotógrafas que amooooo, mas a 1ª (tipo assim..rsrsr) que me apaixonei por essa profissão é a www.erikaverginelli.com , ela nem sabe que existo , mas sou apaixonada por sua profissão! ela é de uma percepção e delicadeza incrível !!! e inclusive, ela tinha um ótimo emprego e saiu pra se dedicar totalmente a profissão de fotografa e conseguiu! hj é uma ótima profissional. Mas tenho medo sabe, de deixar empego atual, que apesar de trabalhar apenas pra receber $$$$ .... ele faz o complemento da familia!!!! Bem, espero que um dia consigamos ser felizes profissionalmente em calíope!

    Bjus :) ótimo post!

    ResponderExcluir

Comenta pra mim, vai... só um comentariozinho!!! ^^

Subscribe